Conecte-se Conosco

WEB RADIO DESTAQUE DO IVAÍ



 

Cidades

Paraná possui quinta maior frota de aeronaves agrícolas do país

Publicado

em

O Paraná possui a quinta maior frota de aeronaves agrícolas do Brasil, segundo dados do Sindicato Nacional da Aviação Agrícola (Sindag). São 141 unidades no estado.

De acordo com os dados, a frota paranaense fica atrás somente dos estados do Mato Grosso (com 524 aeronaves), Rio Grande do Sul (426), São Paulo (339) e Goiás (277).

Os aviões e helicóptero são utilizados, no setor agrícola do estado na pulverização das lavouras. Em algumas regiões do país, a atividade chegou até a ser proibida.

Entretanto, a atividade tem controlado pragas em diversos estados. No Paraná, além de 140 aviões há um helicóptero utilizado para a função, que faz a pulverização aérea, homologada no Ministério da Agricultura.

“O helicóptero consegue chegar onde o trator não chega, nem o avião. O helicóptero tem mais facilidade para manobra, a haste dele ajuda a jogar o veneno pra baixo, sem o risco de deriva”, comentou o piloto Eduardo Noronha.

A pulverização aérea tem sido cada vez mais solicitada pelos agricultores, segundo o Sindicato Nacional da Aviação Agrícola. Isso porque, em algumas culturas, não é possível o acesso por terra. Como na plantação de cana, por exemplo, que quando cresce, fica inacessível.

Alguns municípios brasileiros proíbem a pulverização aérea com a justificativa de que o veneno se espalha sem controle e pode prejudicar o meio ambiente e saúde da população, mas o Sindag contesta a teoria.

“A aviação agrícola começou no Brasil em 1947. Em 81 foi regularizado. Hoje é regularizada pelo Ministério da Agricultura, Anac e Ibama. É prevista em lei para trabalhar tem que cumprir a legislação. Tem que seguir uma série de normas. Estamos questionando se é papel do município proibir este uso”, explica Gabriel Colle, do sindicato.

Há diversas normas para o trabalho de combate de pragas por meios aéreos, com avião ou helicóptero. Um dos requisitos para trabalhar com a pulverização aérea é ter um espaço específico pra limpeza da aeronave.

Logo depois do voo, o veículo é encaminhado para uma área onde os trabalhadores descartam o agrotóxico.

Outra determinação é ter um engenheiro agrônomo acompanhando o trabalho. O especialista fica responsável por controlar o tipo e a quantidade do agrotóxico que será usado.

Anúncio

 

 

Instagram

CBX Insta Photos: Possible list of errors

  • Error retrieving data

Follow Me on Instagram

Facebook

Mais lidas

Copyright © 2019 - Grupo EDA **** CNPJ: 35.301.283/0001-96 **** www.grupoeda.com.br ****Contato: 43 9818-7783 ****

RSS
Follow by Email