Conecte-se Conosco

WEB RADIO DESTAQUE DO IVAÍ



 

Politica

‘Não será comprada’, diz Bolsonaro sobre vacina Coronavac

Publicado

em

Menos de 24 horas após o Ministério da Saúde anunciar que tem a intenção de adquirir 46 milhões de doses da Coronavac, vacina candidata contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac Biotech testada no Brasil pelo Instituto Butantan, o presidente Jair Bolsonaro desautorizou o ministro Eduardo Pazuello e afirmou nesta quarta-feira que o imunizante contra o novo coronavírus “não será comprado” pelo governo brasileiro. A informação foi publicada em rede social.

“A vacina chinesa de João Dória: para o meu Governo, qualquer vacina, antes de ser disponibilizada à população, deverá ser COMPROVADA CIENTIFICAMENTE PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE e CERTIFICADA PELA ANVISA. O povo brasileiro NÃO SERÁ COBAIA DE NINGUÉM”, disse, acrescentando:

“Não se justifica um bilionário aporte financeiro num medicamento que sequer ultrapassou sua fase de testagem. Diante do exposto, minha decisão é a de não adquirir a referida vacina”.

Segundo aliados, o presidente também enviou mensagens afirmando que não iria comprar “uma só dose de vacina da China” e que se governo “não mantém qualquer diálogo com João Doria na questão do Covid-19”.

Mais cedo, Bolsonaro respondeu a um usuário que criticava o acordo entre o governo brasileiro e a empresa chinesa, afirmando que a vacina “não sera comprada”.

“Presidente, a China é uma ditadura, não compre essa vacina, por favor. Eu só tenho 17 anos e quero ter um futuro, mas sem interferência da ditadura chinesa”, comentou o usuário, ao que o presidente respondeu:

“NÃO SERÁ COMPRADA”, em caixa alta.

A mensagem foi enviada a ao menos outros dois usuários que criticavam o acordo e Pazuello. Em duas das respostas, o presidente disse ainda que “tudo será esclarecido hoje”.

A outro usuário que acusou Pazuello de trair o governo ao comprar a vacina chinesa e disse que o presidente “se enganou mais uma vez”, Bolsonaro afirmou que “qualquer coisa publicada, sem qualquer comprovação, vira TRAIÇÃO”.

Protocolo de intenções
O acordo criticado por apoiadores foi fechado durante reunião do ministro da Saúde com governadores. Durante o anúncio, Pazuello afirmou que a “vacina do Butantan será vacina do Brasil”. A compra só será realizada após o imunizante receber um registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Doria passa a quarta-feira em Brasília em reuniões, uma delas justamente com a Anvisa.

A vacina desenvolvida pelo laboratório chinês sofre críticas de apoiadores do governo que a relacionam ao regime comunista. Além disso, o imunizante é produzido no Brasil em parceria com São Paulo, do governador João Doria (PSDB), ex-aliado de Bolsonaro e vocal crítico da gestão da crise provocada pela pandemia pelo presidente.

Doria e Bolsonaro também divergem sobre a obrigatoriedade da vacina. Na sexta-feira passada, o governador de São Paulo anunciou que o imunizante será obrigatório no estado, com exceção das pessoas que apresentarem alguma contraindicação médica.

Bolsonaro, por sua vez, afirmou que o governo federal não vai obrigar os brasileiros a tomarem a vacina. Na segunda-feira, ele disse que o ministro da Saúde “já disse que não será obrigatória essa vacina e ponto final”.

Relação com a China
Além das divergências com o governador de São Paulo, o presidente Bolsonaro está no meio de uma guerra comercial e ideológica entre a China e os Estados Unidos, que envolve, entre outros pontos, a tecnologia 5G e a gestão da pandemia do novo coronavírus.

Enquanto os Estados Unidos registram o maior número de casos e de mortes provocadas pela doença no mundo, a China, primeiro país a registrar a doença, conseguiu controlar a contaminação em seu território.

A falta de transparência do país asiático no começo da crise, no entanto, provocou críticas dos americanos à China. O presidente Donald Trump e parte de seus aliados, inclusive, chamam a doença de “vírus chinês”, expressão também utilizada por apoiadores de Bolsonaro. Esse posicionamento, no entanto, é criticado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Assim como Trump, Bolsonaro minimizou os impactos da Covid-19, classificando a doença como uma “gripezinha”. O Brasil é o terceiro país com mais casos do novo coronavírus, 5.274.817, e o segundo com mais óbitos, 154.888.

Anúncio

 

 

Instagram

CBX Insta Photos: Possible list of errors

  • Error retrieving data

Follow Me on Instagram

Facebook

Mais lidas

Copyright © 2019 - Grupo EDA **** CNPJ: 35.301.283/0001-96 **** www.grupoeda.com.br ****Contato: 43 9818-7783 ****

RSS
Follow by Email