Conecte-se Conosco

WEB RADIO DESTAQUE DO IVAÍ



 

Cidades

Mulher que foi morta a facadas em Londrina teve medida protetiva contra o ex-marido negada por juiz 2 dias antes do crime

Publicado

em

A servidora pública Sandra Mara Curti, que foi morta a facadas pelo ex-marido, Allan Borges, em Londrina, tinha procurado a Justiça para pedir uma medida protetiva dois dias antes do crime. O pedido foi negado pelo juiz João Marcos Anacleto Rosa.

O crime foi cometido no dia 6 de julho em frente aos filhos do casal – de oito e 12 anos. Na quarta-feira (15), Allan Borges foi indiciado por homicídio qualificado, com três qualificadoras: motivo fútil, meio cruel e sem possibilidade de defesa da vítima.

No boletim de ocorrência registrado por Sandra, ela relatou que o ex-marido não aceitava a separação e que fazia ameaças constantes à ela.

Ao indeferir a medida de proteção, o juiz Rosa declarou: “O magistrado não pode atuar de forma açodada, precipitada. Ausentes elementos hábeis a suportar a rápida e frágil versão da lavra hipotética vítima. A decretação de medidas protetivas há que se consistir em exceção, e não regra (como se tornou corriqueiro nos dias atuais”, afirmou.

Como aconteceu o crime

O homem, de 40 anos, saiu do açougue em que trabalhava levando uma faca e foi até a residência da vítima, de acordo com a Polícia Civil.

Para o delegado, Borges disse que não tinha nenhuma intenção premeditada de praticar o crime. Segundo a polícia, ele deu pelo menos 22 golpes de faca contra a mulher.

Sobre a faca que estava usando ser do trabalho dele, afirmou que carrega o instrumento para amolar em casa porque faz serviços fora do trabalho.

Sandra Mara Curti chegou a ser socorrida. Ela foi levada à Santa Casa de Londrina, mas morreu na instituição horas depois. Ela tinha 43 anos.

Vizinhos ouviram os pedidos de socorro e seguraram Borges até a chegada da polícia. Ele foi preso em flagrante e disse que cometeu o crime motivado por ciúmes e porque não aceitava o fim do relacionamento.

“Ele não tinha a intenção de matar. Ele está arrependido”, afirmou o advogado Alexandre Aquino, que defende Borges.

Mais lidas

Copyright © 2019 - Grupo EDA **** CNPJ: 35.301.283/0001-96 **** www.grupoeda.com.br ****Contato: 43 9818-7783 ****

RSS
Follow by Email